Quais são os viveiros que fornecem plantas para a cidade de São Paulo?

De onde vêm as plantas que compõem as paisagens de São Paulo? De três viveiros municipais: Manequinho Lopes, que fica dentro do Parque Ibirapuera; Arthur Etzel, localizado no Parque do Carmo; e Harry Blossfeld, que fica no parque Cemucam, em Cotia.

Juntos, eles produzem cerca de 1.700.000 mudas por ano, todas destinadas para o plantio em praças, parques, escolas, canteiros centrais e outras áreas verdes da cidade.

Estes viveiros são os produtores oficiais de mudas para São Paulo, mas é importante dizer que algumas áreas verdes foram construídas por voluntários que, nos últimos anos, têm se engajado para criar novos espaços densos em vegetação. Nestes casos, as plantas são muitas vezes compradas por eles ou doadas por empresas parceiras dos mutirões.

Essa praça, no Largo de Pinheiros, foi plantada por voluntários no local onde no passado funcionou um posto de gasolina. Foto: Maisa Infante

Um destes grupos de plantadores voluntários, o Pedra 90, vem trabalhando na construção e manutenção de três viveiros independentes, focados na produção de plantas nativas.

Como é a produção de mudas nos viveiros municipais?

Os viveiros Manequinho Lopes e Arthur Etzel produzem e distribuem mudas de plantas ornamentais herbáceas e arbustivas. Neles, há uma área destinadas às matrizes, de onde são coletadas as sementes ou retiradas as mudas – por estaquia ou divisão de touceiras. O segundo passo é ensacar e germinar essas mudas para que firmem as raízes. Isso acontece em uma área chamada Ripado. Depois, as plantas vão para as quadras de aclimatação e estoque, onde ficam até serem levadas para o plantio.

O Manequinho Lopes também possui algumas estufas de vidro, usadas para pesquisas, como por exemplo sobre a replicação de plantas nativas da Mata Atlântica e do Cerrado; para o cuidado especial com plantas; e para guardar uma coleção de orquídeas.

Estes canteiros são chamados de matrizeiras porque é deles que saem sementes e mudas para replicação. Foto: Maisa Infante
É em quadras como estas que as mudas ficam para aclimatação. Depois, elas ficam em uma área de estoque, de onde saem para a cidade. Foto: Maisa Infante

As mudas de árvores são produzidas no viveiro Harry Blossfeld, em Cotia. Embora esteja localizado fora do município, a produção é destinada para a cidade de São Paulo.

Viveiro Harry Blossfeld. Foto: Divulgação/Prefeitura de São Paulo

Depois de coletadas, beneficiadas e classificadas, as sementes são submetidas a técnicas para quebra de dormência, o que possibilita a germinação. Em seguida são semeadas e acondicionadas para germinação em estufas, canteiros, estufins ou mesmo diretamente na embalagem previamente preenchida com o substrato. Ao atingirem 2 a 3 pares de folhas, as mudas são transferidas para o galpão de envasamento. É então realizada a retirada (repicagem), seleção e preparo das mudas para serem plantadas individualmente em embalagens. As mudas envasadas são transportadas para as áreas de crescimento e condução. O próximo passo é a distribuição.

O viveiro Manequinho Lopes não produz árvores, mas cedeu um espaço para uso do viveiro de Cotia. É onde ficam as mudas provenientes de Termos de Compensação Ambiental (TCA), firmados com pessoas/empresas que precisam compensar a retirada de vegetação com a doação de mudas já grandes para serem plantadas na área urbana.

As árvores no estoque do Manequinho Lopes pertencem ao viveiro de Cotia. Foto: Maisa Infante

Por isso, mesmo sem produzir árvores o viveiro Manequinho Lopes é um ponto de retirada de mudas arbóreas. É de lá, inclusive, que mais saem a maioria das plantas doadas aos moradores. Em 2018, foram doadas 286 mudas de árvores do Manequinho Lopes e apenas 12 do viveiro Harry Blossfeld.

Como retirar mudas nos viveiros

É possível acessar o estoque de plantas dos viveiros municipais pelo site da prefeitura. As espécies arbustivas e herbáceas são destinadas apenas para os órgãos públicos. Já as árvores, podem ser retiradas pelos moradores. É possível retirar até cinco mudas por IPTU. Na solicitação, é preciso apresentar os seguintes documentos: IPTU ou isenção do IPTU em próprio nome; documento com foto; se a ideia é plantar em um condomínio, é preciso ter uma carta do síndico autorizando o plantio e cópia da ata da assembleia que o elegeu; metragem de área livre permeável e fotos do local onde será realizado o plantio.

Uma das estufas do viveiro Manequinho Lopes, onde são feitas pesquisas, germinações, tratamentos e cuidados especiais com as plantas. Foto: Maisa Infante

Essa solicitação pode ser feita diretamente nos viveiros Manequinho Lopes ou Harry Blosfeld. Normalmente, os técnicos avaliam a documentação na hora e já liberam para a retirada. O horário para a retirada é de segunda a sexta-feira, das 8h às 15h. É preciso estar com veículo adequado, aberto, porque as mudas possuem mais de 2 metros de altura.

Antes de solicitar ou fazer o plantio, vale a pena acessar o manual de arborização urbana da prefeitura, onde estão todas as instruções para fazer um plantio que colabore com a cidade!

Viveiro Manequinho Lopes
Av. IV Centenário, Portão 7A | Parque Ibirapuera
Telefone: 3887-6761.

Viveiro Arthur Etzel
Av. Afonso de Sampaio Souza, 951 | Parque do Carmo
Telefone: 2742-8833.

Viveiro Harry Blossfeld
Rua Mesopotâmia, s/n – Rodovia Raposo Tavares, km 25 | Parque Cemucam
Telefone: 4702-4395.

Deixe uma resposta