À primeira vista (muitas vezes à segunda e até à terceira vista) São Paulo parece ser simplesmente um monte de concreto amontoado. Mas podem acreditar que ⅓ da cidade é rural. 

Esse ⅓ não está distribuído de forma uniforme, o que ajuda na sensação de “selva de pedra”. Das 548 unidades de Produção Agropecuária da cidade, 519 ficam na Zona sul, 21 na Zona Leste e 8 na Zona Norte.

Esses dados são do projeto Sampa+Rural, uma iniciativa lançada em 2020 que mapeou o universo rural de São Paulo e o colocou em evidência, mostrando, inclusive, onde já acontecem as conexões entre a produção da agricultura urbana e a vida cotidiana da cidade.

UM POUCO DE HISTÓRIA

O lado rural de São Paulo não vem de hoje. Quando os colonizadores chegaram aqui, encontraram índios e muito verde. E a agricultura urbana acompanhou o desenvolvimento da cidade.

Imagem: Reprodução

Dá pra ver aí a plantação de chá onde hoje é o Anhangabaú, a caça e pesca de rãs na região do tamanduateí, a colônia agrícola de Itaquera, o programa Escola Estufa Lucy Montoro, de 2008, etc. 

Mas e hoje?

Hoje, esse ⅓ rural da cidade, localizado principalmente no extremo sul e leste, planta legumes, verduras e raízes (69%), plantas ornamentais (34%) e frutas (65%). 

QUAL A IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA URBANA PARA SÃO PAULO

Existem diversas definições acadêmicas para Agricultura Urbana. Eu gosto bastante de dizer que a agricultura urbana é a conexão mais genuína da cidade com o campo, a prova de que a vida urbana pode estar em sintonia com o meio-ambiente e, principalmente, com a produção daquilo que a gente come.

Além disso, a agricultura urbana integra um sistema econômico e ecológico urbanos. Ela emprega pessoas; muitas vezes tira pessoas de situação de vulnerabilidade; produz alimentos que são consumidos dentro da cidade; e tem um papel importante na conservação ambiental, ajudando a transformar espaços em áreas mais verdes, melhorando a paisagem urbana, os serviços ambientais e atuando como um elo entre os cidadãos e as questões ambientais, uma forma de fazê-los ver as necessidades do campo e todo o potencial conservacionista que ele tem. 

Plantação de peixinho na Horta da Mata, em Itaquera. Foto: Maisa Infante

Um bom exemplo são as hortas que existem sob os linhões de alta tensão. Elas são feitas a partir de um acordo entre os produtores e a concessionária de energia e transformam um espaço praticamente morto em um lugar absolutamente cheio de vida.

Conheça a História da Terezinha, uma das agricultoras da Zona Leste de São Paulo!

Mas, claro, é preciso que a construção dessa agricultura urbana seja feita de forma segura, saudável e sustentável. Caso contrário, ela pode degradar áreas. Hoje, em São Paulo, 23 produtores são orgânicos certificados e 27 estão em transição agroecológica.

Para que isso se fortaleça, é super importante ter assessoria técnica e respaldo do poder público. 

O PAPEL DO CONSUMIDOR E DOS EMPREENDEDORES

Talvez você esteja se perguntando o que você, cidadão comum, pode fazer com essas informações, já que aquilo que você consome vem do supermercado, que é bem mais prático. 

De fato, estamos acostumados a comprar tudo com muita facilidade no supermercado, independente da origem daquela comida, se foi produzida perto ou longe da gente.

E se você resolver comprar de produtores urbanos, vai precisar mudar hábitos alimentares porque não vai encontrar exatamente o mesmo que encontra no mercado. A sazonalidade é uma característica importante dessa produção. 

Terezinha Matos, agricultura da Zona Leste que vende sua produção na feira orgânica do Ceret. Foto: Maisa Infante

Por outro lado, essa é uma decisão que tem um impacto grande no ecossistema de produção urbano. Quanto mais perto do produtor estiver a demanda, melhor para os produtores e também para o meio-ambiente. É essa demanda que vai ajudar a crescer e fomentar a agricultura urbana. 

Nesse sentido, é importante também quando restaurantes usam a produção urbana nos seus cardápios. Segundo a plataforma Sampa + Rural, existem 53 parceiros da Produção Local, que são estabelecimentos que vendem produtos das zonas rurais da cidade ou utilizam esses produtos como insumo. É o caso, por exemplo, da marca de bebida Kiro e do restaurante Arturito, que utilizam orgânicos produzidos pela Cooperativa Agroecológica dos Produtores Rurais e de Água Limpa da Região Sul de São Paulo (Cooperapas).

COMO EU POSSO AJUDAR?

O cidadão, como pessoa física, tem um papel bem importante no fomento da agricultura urbana. Primeiro porque ele pode cobrar que restaurantes, feiras e lojas busquem esses produtos. Segundo, porque ele pode comprar diretamente dos produtos, ser um parceiro e financiador dessas iniciativas. 

A seguir, veja algumas formas de incluir os produtos da agricultura urbana paulistana no seu dia a dia. 

Cesta dos agricultores : Organizada pela Associação dos Agricultores da Zona Leste, a cesta é entregue uma vez por semana, com produtos da horta dos agricultores de São Mateus. Para receber ou retirar, é preciso entrar em contato pelo WhatsApp (11) 94897-9308. Acesse o Instagram da AAZL aqui!

Feiras Orgânicas: Muitas das 30 feiras orgânicas da cidade comercializam alimentos produzidos nas hortas urbanas. Vale a pena ficar de olho e perguntar. Acesse a lista de feiras orgânicas aqui!

Compra direto nas hortas: Você pode fazer contato direto com os produtores das hortas urbanas. Essa é uma forma de compra muito utilizada por quem mora próximo aos produtores. Na plataforma Sampa + Rural está disponível o contato de muitos produtores. E essa relação próxima traz confiança e ajuda bastante no fomento desse trabalho.

CSA: O CSA (Comunidade que Sustenta a Agricultura) acontece quando um grupo de consumidores se junta e garante a compra a médio e longo prazo da produção de um ou mais agricultores. As pessoas se comprometem a pagar um valor fechado por mês ou por ano e, em troca, recebem os alimentos produzidos por aquele grupo de agricultores ao longo do período. Saiba mais sobre CSA aqui!

Você também pode gostar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *